Estrelas do Brasil: espumantes de excelência!

O nome Estrelas do Brasil é uma referência à célebre afirmação “Estou vendo estrelas!”, supostamente proferida pelo monge beneditino Dom Pérignon ao provar pela primeira vez as borbulhas de um vinho espumante, no caso um champanhe. Assim a escolha do nome Estrelas do Brasil, para uma vinícola especializada em espumantes de qualidade, não teria como ser mais feliz e sugestiva!

Estátua de Dom Pérignon em frente a privilegiada vista da propriedade.

A Estrelas do Brasil foi fundada em 2005 no distrito de Faria Lemos na região de Bento Gonçalves-RS por dois amigos e enólogos, o uruguaio Alejandro Cardozo e o brasileiro Irineo Dall’Agnol, que nos recebeu, gentilmente apresentou cada um dos seus produtos, conversou um pouco sobre seus projetos e literalmente nos abriu as portas de sua casa, com direito a uma vista deslumbrante e a espumantes surpreendentes.

Foto cedida por Irineo Dall’Agnol mostrando a bela vista de sua propriedade.

Estatua de Dom Pérignon com vale ao fundo

Na agradável visita degustamos 05 espumantes:

  • Estrelas do Brasil Brut Prosecco 2016. Sou um pouco refratário a proseccos, mas este surpreendeu pelo que oferece a um baixíssimo custo. Elaborado com uma única fermentação utilizando uvas que foram colhidas em janeiro de 2017. Frescor e equilíbrio. Recebeu 90 pontos na edição 2017 do conceituado Guia Descorchados, ficando em 2º lugar dentre os melhores espumantes elaborados pelo método Charmat.
  • Estrelas do Brasil Nature 2007. Elaborado pelo método Champenoise, possui Chardonnay, Pinot Noir, Riesling Itálica e Viognier em sua composição. Sofreu maturação sobre leveduras por 60 meses. Complexidade aromática e no palato. Elegante, com intensa perlage e corpo.
  • Estrelas do Brasil Brut 2007. Outro Champenoise, também é um corte de Chardonnay, Pinot Noir, Riesling Itálica e Viognier. Safra 2007, mas ainda muito vivo, com frescor, acidez gostosa e equilibrado. Boa perlage. É pioneiro na utilização de leveduras encapsuladas durante sua produção.
  • Estrelas do Brasil Brut 2010. Também Champenoise e mesmo corte dos anteriores. É equilibrado, tem bom frescor e gostosa cremosidade.
  • Estrelas do Brasil Brut Rosé-Pinot Noir 2010. Champenoise com 100% Pinot Noir. Possui coloração rosa clara, cremosidade gostosa, perlage intensa e constante. Recebeu 92 pts na edição 2017 do Guia Descorchados e faturou o prêmio de melhor espumante rosé nacional.

As Estrelas degustadas. Os rótulos do Brut 2007 e 2010 são iguais, por isso só coloquei uma foto.

O Irineo fez uma bela seleção para apresentar seus espumantes. Achei todos realmente muito interessantes, sendo que o Estrelas do Brasil Brut Rosé-Pinot Noir 2010 foi o que mais me encantou; e o Prosecco 2016 surpreendeu dentro da sua proposta e da sua faixa de preço.

As estrelas da vinícola são obviamente os espumantes, mas em sua linha também há vinhos tranquilos.

Depois dos espumantes, degustamos o Dall’Agnol Edição Especial Fumé Blanc 2015, que é 100% Sauvignon Blanc e inspirado nos Poully-Fumé do Vale do Loire. Apresenta coloração amarelo palha e no nariz revela notas mais florais e um discreto defumado, fugindo um pouco da explosão de maracujá dos vinhos do novo mundo elaborados com esta casta. Estagiou por seis meses em barricas de carvalho americano de segundo e terceiro uso, que suavizou mas não eliminou o frescor da Sauvignon Blanc.

Bom vinho, posicionado numa faixa pra lá de honesta!

Ainda dentre os vinhos tranquilos, me chamou a atenção o Dupla Maturação Direcionada (DMD) Cabernet Sauvignon 2005, que infelizmente não degustamos, mas trouxe duas ampolas na mala para beber num momento de reflexão, na paz do meu lar! A Dupla Maturação Direcionada (DMD) é uma técnica desenvolvida pelo próprio Irineo Dall’Agnol, que consiste em, além da maturação natural da uva, provocar uma segunda maturação através do corte de parte dos ramos que sustentam os cachos, causando forte passificação natural das bagas ainda no vinhedo, e conseqüentemente a concentração de todos os constituintes do mosto da uva. Inspirado nos grandiosos Amarones! Espera-se um vinho estruturado, carnudo e persistente. O próprio Irineo recomenda decantá-lo por um período de pelo menos 10 horas e diz que a cada par de horas a coloração muda e a sensação gustativa é de estar bebendo um novo vinho.

Ampola que trouxe na mala. Está aguardando seu dia!

E na saideira, fomos brindados com uma surpresa: Um vinho laranja que ainda está por vir!

Estrela que estar por vir! Um vinho laranja, ainda sem rótulo que brevemente será lançado!

Aproveitando a privilegiada localização de sua propriedade, Irineo tem planos de investir no enoturismo e construir hospedagens com vista para o belo vale. Enquanto aguardamos ansiosamente, que tal um espumante para hidratar e relaxar?

Casa de Pedra em fase de construção. Inspirada nas casas italianas de seus bisavós, funcionará como loja de vinhos (varejo) e restaurante.

Dois craques em espumantes: Dom Pérignon e Irineo

Foto cedida por Ireneo Dall’Agnol.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *